Feliz da vida em poder se dedicar a esse momento tão especial, Patricia Gouvêa abriu as portas do quartinho da neném sem cerimônia e apresentou, com orgulho, suas duas obras-primas: a pequena recém nascida, pronta para mamar a qualquer hora, e o ambiente claro, gostoso, cercado de heranças de família e delicadezas.  Tudo assinado por ela, claro.

– Só sabia que queria uma cômoda vermelha com bastante presença. Essa eu comprei, mas o berço veio de uma amiga e os bichinhos de pelúcia já eram meus. A poltrona, antiga , forrei com tecido da Bairro estamparia, assinado pela minha amiga designer Carolina Vaz. E a luminária, de tricô, é da Mini Móbile Ateliê. Tudo com um tom artesanal.

Expert em estética, Patricia fez questão de tornar os 16m2 de Diana muito inspiradores e especiais. Lembrou que tinha ganho, da artista plástica colombiana Luisa Roa, uma plotter com o nome “Lo que suèna um gato” (herança de uma exposição no Ateliê da Imagem). Nada mais adequado usar esse desenho, com destaque, na parede, não? E, para criar um sofá gostoso, preferiu usar o antigo tatame de sua cama e colocou um futon. As almofadas coloridíssimas são da Bebel Franco.

Os objetos, repare, são um capítulo à parte. Patricia trouxe para o mundo de Diana um vestidinho vintage, de família, de mais de 40 anos, um globo bem antiguinho, além de bonecos e relíquias que fazem toda a diferença.

Amamos:

A cômoda vermelha, as almofadas da Bebel e a cama estilo futon, pertinho do chão, em cima do tatame.

Mão na massa:

Objetos garimpados de família? Faça uma busca, nas casas da mãe e da avó, e traga esse arsenal para ficar em destaque numa prateleira.

Deixe seu comentário

2 comentários

  1. marcelle

    Amei a comoda vermelha! Da onde é?

    bjs

    Responder

    • natoca

      Olá Marcelle! A Patrícia contou que comprou a cômoda em São Paulo, mas como já tem algum tempo, infelizmente não lembra onde foi.

      Responder