Na Festa:
passado presente

Brinquedos gigantes sim, qual criança não gosta? Mas nessa casa de festas, entre um escorrega e uma tirolesa, a decoração se destaca nos diferentes ambientes criados pela ZEBRAS, com mistura de cores, um toque retrô e ideias simples à la faça você mesmo. 

Fotos: Sambacine

A dupla Francisco Palmeiro (arquiteto) e Patricia Lima (empresária), à frente do estúdio Zebras, nem pensava em entrar no ramo de decoração de casas de festas até ser descoberta pelas empreendedoras que estavam prestes a abrir o Quintal Aventura, em Botafogo, Rio de Janeiro. Marcella Bellei e Tatiana Rinaldi conheceram o trabalho de Francisco e Patricia pelas fotos de um quarto de criança publicado numa revista de decoração, e chamaram os dois para assinar o projeto inteiro.

– Planejamos todo o espaço desde o início, mas no fim as obras atrasaram e a decoração mesmo foi montada em um mutirão, durante uns três dias – lembra Patricia. – A primeira coisa que levamos em consideração é que uma casa de festas, assim como um quarto de criança, precisa “aceitar” a bagunça. Tudo pode sair do lugar e continuar bonito.

Tapetes de grama sintética delimitam os diferentes ambientes. De um lado, o canto para desenhar, com duas mesas de fórmica compridas – inspiradas em refeitórios escolares, que levam um ar retrô charmoso. A estampa no tampo nada mais é do que papel de presente embaixo do vidro. Na parede, boas sacadas: molduras de quadros com barbantes presos viraram painéis para pendurar os desenhos das crianças, assim como as pranchetas pintadas. Até simples pratinhos de papel, típicos de festas infantis, deram uma bossa na decoração.

A parte “camarim”, bem ao lado, conta com penteadeira amarela, armário azul cheio de fantasias e nichos na parede, que são, na verdade, gavetas velhas depois de um banho de tinta e um adesivo estampado no fundo. E na área em frente, uma cozinha fofa para brincar, com direito a armários e fogão de madeira, e carrinho cheio de louças. Tudo muito colorido, mas sem exageros.

– As cores fazem muito parte da nossa linguagem, até o escritório daqui a gente fez assim, com as paredes azuis e cadeiras de tons diferentes. Mas tudo pontuado, com muito equilíbrio. O branco e o cinza são os neutralizadores de paleta nesse projeto – explica Francisco.

Para terminar, a mesa do bolo fica em uma parte revestida de madeira de demolição, sem aquele excesso todo de babados e bonecos. Simples e alegre.

Ah, e faltou apresentar o trio que se esbaldou (e arrasou) na sessão de fotos: Bethanea (6 anos), Iara (2), e Pilar (9 meses), filhas de Patricia.

Deixe seu comentário