Permitido para menores

Mapa e fita métrica adesivados, cestos emborrachados lotados de brinquedos, muita cor nos estofados, arte nas paredes e espaço para se esparramar no chão. O que o jovem proprietário dessa brinquedoteca, um rapazinho de 3 anos, primeiro filho de um jovem casal, pode pedir mais para ser feliz?

Fotos: MCA Estúdio

O espaço amplo, com cerca de 18m2 em um apartamento de cobertura na Barra da Tijuca, inspirou à designer de interiores Fernanda Pessoa de Queiroz a pensar em várias soluções bacanas para criar uma brinquedoteca descolada para o jovem rapaz. Um projeto divertido, colorido, mas sem apostar em temas e excesso de estampas, porque o quarto funciona também como sala de TV e quarto de hóspedes. Por enquanto, quem reina ali é o primogênito da família carioca, um menino sapeca que adora se esparramar no piso com sua coleção de bonecos, robôs e pistas de carrinhos.

– A ideia era pensar em uma brinquedoteca bem lúdica e inspiradora. Com arte nas paredes, por isso as telas do Marcelo Solá, que têm um traço borrado, abstrato, que as crianças se identificam. O mapa e a fita métrica adesivados são também “educativos”, porque fazem a criança se familiarizar com geografia e também com noções de matermática. No mais, investimos em uma base clara, branca, para não ficar infantil demais. A cor vem dos estofados e dos objetos – diz Fernanda.

O tapete fofo era essencial, assim como o pufe gostoso, que fazem a brincadeira ser melhor com tudo espalhado pelo chão. A estante simples, de linhas retas, pode funcionar no futuro como uma bancada de estudo (o lugar tem vocação para virar um escritório da família). A mesinha baixa, em forma de cruz, é o ponto de encontro dos amiguinhos e a bancada ao lado do sofá, com rodízios (ambos da Oba!) completa o ambiente que faz o maior sucesso entre os amigos!

– Tomamos cuidado de fazer uma seleção bacana de objetos e brinquedos. Têm muitas peças mais descoladas, artísticas. Assim o ambiente perde a cara “pasteurizada” e ganha ares de ateliê – completa ela.

Amamos:

O adesivo do mapa; as telas de Marcelo Solá; e a seleção bacanérrima de toy arts nas prateleiras. A iluminação de Maneco Quinderé também se destaca.

Mão na massa:

É possível, sim, criar o seu próprio adesivo. Que tal tentar fazer uma escala de fita métrica bem colorida? Até com recortes de contact pode dar certo!

Deixe seu comentário

3 comentários

  1. Carolina

    Onde posso encontrar o adesivo de mapa? Obrigada!

    Responder

    • simone raitzik

      Oi Carolina, esse adesivo é importado, à venda na Orlean, mas a Fina Stampa (tem o link nos Parceiros) também faz vários adesivos de mapa (publicados aqui). Vale dar uma pesquisada.

      Responder

  2. Debora Fajardo

    Gosto da mistura do lúdico no projeto, dando liberade de brincar nos dois mundos.

    Responder